Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amnesia

Amnesia

167:: dreams

Não sou pessoa que se lembra dos sonhos que tem, mas o desta noite, não consegui tirá-lo da cabeça durante toda a manhã e, assim creio, irá continuar pelo resto do dia. Costumo esquecer rapidamente os sonhos que tenho cinco minutos depois de acordar e nunca mais me lembro, mas este é diferente, este foi especial. Foi especial porque foi com uma pessoa que não falo à imenso tempo e que, assim o acho, está bastante chateado e magoado comigo, também pelos nomes todos que me chamou. Ele era doce, meigo, chato, orgulhoso, teimoso, não tinha jeito nenhum para lidar com raparigas e fazia-as sofrer. Mas, segundo ele - e naquela altura -, eu era diferente. Consegui que ele mudasse e não magoasse tanto as pessoas que ama, consegui que ele ligasse mais aos seus sentimentos e não os guardasse tanto para si. Porém, depois de tudo, deixamos de nos falar mas, como disse à uns tempos a uma pessoa, ele é o meu ponto fraco. E, por mera estupidez da minha parte, perdi-o. Não sei se voltaria atrás e tornaria a conhecê-lo, pois nunca uma pessoa me deixou como ele. Porque, apesar de sermos amigos, ele era especial. Tinhamos uma amizade que, segundo eu achava, era perfeita e depoiis de tudo, ainda continuo a achar que foi perfeita. Ele conhecia-me melhor do que ninguém, sabia como me animar, como me tirar do sério (coisa que não era difícil, visto que estava a toda a hora a tirar-me do sério com as suas coisas estúpidas), sabia como secar as minhas lágrimas apenas com palavras... Neste momento e, naquilo que pensei a manhã toda, gostaria que o meu sonho se realizasse e vê-lo aqui, à minha frente e abraçá-lo para lhe pedir desculpas, tal como no sonho. Mas sonhos não passam disso: sonhos. Alucinações do nosso cérebro. Algo que nós queríamos que acontecesse porém, não vai acontecer. Ainda ontem me perguntaram se pudesse escolher uma única pessoa do meu passado para voltar a reencontrar e, sucessivamente, deixar todo o passado de lado, eu respondi que era ele. Não tive qualquer problema em dizê-lo em voz alta o que, para a pessoa que me perguntou isso, foi uma surpresa. Ele estaria certamente à espera que respondesse outra e, para ser sincera, até eu achava que era isso que ia dizer mas, como se costuma dizer, fugiu-me a boca para a verdade. E lá tive eu de contar a história toda que tive com ele desde o início, todos os pormenores... Se dói? Dói e imenso. Mas acho que aquele sonho foi algo tão real, que quase o senti à minha beira, com os braços à minha volta e, também ele, a pedir-me desculpa por tudo. Há pessoas que realmente marcam a nossa vida de uma forma que mais nenhuma, alguma vez, voltará a marcar.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D